segunda-feira, 24 de novembro de 2008

TRÊS PICARETAGENS COMUNS COM O MITO REUMATISMO

LEIA O EBOOK REUMATISMOS NÃO EXISTEM

http://drluizclaudio.blogspot.com.br/2015/09/reumatismos-nao-existem-ebook.html


1. Feita por espertalhões, que não são médicos.
Um sujeito vende diagnósticos através do computador, usando propaganda de pessoa a pessoa. Quando consegue uma vítima, vai a domicílio, munido do computador para fazer o serviço. O golpe consiste em aplicar um questionário com perguntas variadas para conhecer as características da vítima. As respostas são introduzidas no programa de computador que depois gera o diagnóstico, emitindo uma folha com as respostas, um gráfico colorido e o "diagnóstico de reumatismo", podendo ou não sugerir o tratamento. Baseia-se na ignorância popular a respeito do que os computadores podem de fato fazer e explora a fé das pessoas que acreditam que reumatismo é uma doença.

2. Feita por médicos não especialistas.
Acontece quando alguém que sente dor no corpo, nas articulações, nos ossos, nos músculos ou na coluna procura atendimento com médicos que não são reumatologistas. O profissional que atende afirma que vai solicitar os "exames para ver se é reumatismo" e depois, de posse dos resultados, marcando os resultados alterados com círculos ou flechas apontando para cima, afirma que "é reumatismo ou é reumatismo no sangue". Após isso, geralmente prescreve injeções de penicilina ou então passa para o tipo 3 - ver abaixo -, ao prescrever a "fórmula para reumatismo".

3. Feita por médicos não especialistas.
Acontece quando um profissional prescreve um produto para manipulação com o nome de "fórmula para reumatismo", um preparado que contém doses baixas e ineficazes de diversos medicamentos como prednisona, cloroquina, glicosamina, paracetamol, carisoprodol, ciclobenzaprina, amitriptilina, fluoxetina, omeprazol, alopurinol, colchicina e codeína, misturados com 2 ou 3 antiinflamatórios (como indometacina, meloxicam, diclofenaco ou nimesulide). Todos esses medicamentos são usados para tratar doenças. Alguns, como paracetamol e codeína, são usados para o tratamento da dor de qualquer origem. Os antiinflamatórios são usados no tratamento de doenças em que haja inflamação, mas também podem ser usados no tratamento da dor que ocorre na ausência de inflamação. Glicosamina é usada no tratamento da artrose. Alopurinol e colchicina são usados no tratamento da gota. Ciclobenzaprina, amitriptilina e fluoxetina são usados no tratamento da dor crônica, associada ou não com depressão, ou fibromialgia. Cloroquina é usada no tratamento de artrite crônica e também de artrose. Omeprazol é usado em conjunto com antiinflamatórios como protetor gástrico. Mas da maneira como é formulada, a "fórmula para reumatismo" não se destina ao tratamento de gota, artrose, artrite, depressão ou fibromialgia. Todos os medicamentos são formulados em doses ineficazes e a associação entre eles é condenada tanto por motivos legais quanto científicos. Mas apesar disso continuam a ser feitos. E continuam a ser feitos porque as pessoas que os usam acreditam que para tratar reumatismo, nada melhor do que usar a "fórmula para reumatismo".
O absurdo que o uso dessa fórmula esconde é que as melhoras que a ela são atribuídas acontecem apenas porque a doença que o consumidor apresentava melhorou espontaneamente. Se a doença não melhorar, o consumidor ainda pode sentir-se melhor por usar uma fórmula que acredita ser eficaz (mesmo sem ser) para a doença - o conhecido efeito placebo. Por sentir-se melhor, o consumidor é levado a pensar que a doença melhorou e que a fórmula funcionou. Toda essa fantasia é mantida na mente das pessoas pela crença em reumatismo.

Até esse ponto, temos apenas espertalhões explorando a ignorância popular, mas o que é mais lamentável vem a seguir, quando entram em cena os responsáveis pela manutenção dessas práticas.
As pessoas vítimas dessas picaretagens que não melhorarem, ou porque a doença não melhorou espontaneamente ou porque o efeito placebo não aconteceu, acabarão procurando um reumatologista.
Se o especialista confirmar que a pessoa "tem reumatismo" ou "tem um tipo de reumatismo", então, ao validar a crença em reumatismo estará também validando a picaretagem feita anteriormente, mesmo que diga "mas a coisa não é bem assim..."
Ao atender essas pessoas, o reumatologista consciente deve simplesmente transmitir o diagnóstico médico, explicando que o que foi diagnosticado não é reumatismo nem um tipo de reumatismo, é tal doença (e diz o nome da doença). E depois prescreve o tratamento condizente.
Agindo dessa forma, estará combatendo o mito reumatismo e as picaretagens feitas com ele; de outra maneira, estará contribuindo para preservar as enganosas práticas pseudocientíficas descritas acima.


"Uma crença não é uma idéia que a mente possui; é uma idéia que possui a mente."

Robert Oxton Bolt

-->

4 comentários:

acte disse...

Depois de ter explicado tudo,ao enviar,nao consegui.DR.TENHO ARTRITE,E GOSTARIA DE SABER SE EXISTE UM SITE DE SUPORTE,ESCLARECIMENTOS,PARA TROCAR IDEIAS SOBRE AS DORES,POSIÇOES ETC. ETC COMO O DR. SABE TAMBEM ACONTECEM,IMPREVISTOS COM ESSE MAL
DESDE JA AGRADEÇO SUA ATENÇAO
GOSTEI MUITO DE SUAS EXPLICAÇOES.MORO NA CIDADE DE SANTOS LITORAL,E AQUI NAO EXISTE TIPO TERAPIA,PARA QUEM TEM ESSE MAL,DIGO, ENCONTROS COM PESSOAS PARA TROCAR IDEIAS.MUITO OBRIGADO,VOU AQUARDAR RESPOSTA.ACTE.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Acte:

Na página da Sociedade Brasileira de Reumatologia

http://www.reumatologia.com.br/index.asp?Pagina=reumatologia/gruposApoio.asp

você pode procurar o grupo de apoio mais próximo.

Recomendo o Grupo de Pacientes Artríticos de São Paulo, o único cujo nome não sugere nenhuma preocupação com o mito "reumatismo". Você pode fazer contato pelo e-mail
grupasp@grupasp.com.br

Sales disse...

Pois bem, uma Reumatologista prescreveu à minha mãe um medicamento para manipulação, composto por alguns dos fármacos citados:
Acetaminofeno, ciclobenzaprina e fluoxteina.

Mas então, isto esta incorreto ou, é o "medicamento certo para o mal errado", ou está correto mesmo??
A internet pode ser uma fonte de informação, mas também de desinformação ou confusão, principalmente para quem é leigo.
Em síntese pergunto: Se um Reumatologista prescrever esta fórmula p0ara manipulação, ela estaria correta, suponho.
Obrigado.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Sales:
Sua dúvida foi respondida através do artigo UMA FÓRMULA PARA REUMATISMO? que você pode ler na página principal do blog.