domingo, 26 de julho de 2009

O QUE É ARTROSE
ou
ARTROSE NÃO É "REUMATISMO"
e
ARTROSE NÃO É "UM TIPO DE REUMATISMO"

LEIA O EBOOK REUMATISMOS NÃO EXISTEM

http://drluizclaudio.blogspot.com.br/2015/09/reumatismos-nao-existem-ebook.html

Artrose é uma doença das articulações.
Doença "das articulações" não significa de todas as articulações ao mesmo tempo. Alguém pode ter artrose só no joelho direito, por exemplo, enquanto o esquerdo é normal.
De fato, para o melhor tratamento da artrose, o diagnóstico anatômico, ou seja, a definição da articulação - ou articulações - comprometida é essencial.
Embora o processo biológico que leva ao aparecimento de artrose seja igual em todas as articulações, as manifestações da doença são diferentes conforme esteja localizada nas mãos, nos joelhos, nos quadris, na coluna cervical ou lombar, nos pés, etc.
Portanto, a afirmação "eu tenho artrose" é incompleta porque é essencial especificar a localização da doença dizendo, por exemplo, "eu tenho artrose no joelho direito".
Com essa informação sabemos que, se a artrose dessa pessoa causa dor, a dor causada pela artrose será apenas no joelho direito. Artrose do joelho não explica dores em outras partes do corpo.
O principal sintoma da artrose é dor na articulação que tem a doença, mas uma articulação pode ter artrose e não doer. O aparecimento da dor na articulação que tem artrose depende de vários fatores como o uso da articulação, o peso que ela suporta, etc.
Muitas pessoas com artrose são levadas a acreditar que toda dor que sentem, independentemente do local onde seja sentida, é devida à artrose. Isso não é verdade. Artrose de uma articulação só causa dor na articulação onde está localizada ou na região em torno dela.

O processo biológico que leva ao aparecimento da artrose começa na cartilagem articular, ou seja, a cartilagem que reveste as extremidades dos ossos que formam a articulação.
Primeiramente a constituição química da cartilagem é alterada, fazendo-a perder a capacidade de absorver os impactos. Depois surgem rachaduras na superfície da cartilagem e ela começa a se fragmentar. Mais tarde, o osso abaixo da cartilagem é exposto ao contato direto com o outro osso da articulação. Com o movimento, o atrito direto entre os ossos expostos aumenta o desgaste das extremidades ósseas.
Numa tentativa de proteger as extremidades ósseas, o organismo aumenta a produção de osso novo no local. O contorno dos ossos é modificado pelo osso novo formado e o aspecto externo da articulação muda, parecendo "crescer" ou ficar "mais grossa" ou, no caso dos dedos das mãos, formar caroços.
A fragmentação da cartilagem e o atrito entre os ossos liberam fragmentos de cartilagem e osso para o interior da articulação, onde funcionam como irritantes mecânicos e provocam o aparecimento de inflamação na membrana sinovial, que, como uma bolsa, reveste a articulação, envolvendo as extremidades ósseas e o espaço entre elas.
Por isso, como artrite é a inflamação de uma articulação, podemos dizer que artrose é uma forma de artrite. Mas, na artrose, a artrite é o resultado de um processo bioquímico que começou na cartilagem articular e somente mais tarde levou ao aparecimento de inflamação na membrana sinovial, produzindo artrite.

Artrose também pode ser o resultado de outras doenças das articulações.
Qualquer doença que se manifeste como artrite - leia O QUE É ARTRITE - pode causar artrose após algum tempo. Nesse caso, a inflamação da articulação pode lesar a cartilagem articular diretamente e levar ao aparecimento da artrose. Quando a artrose aparece depois da artrite é chamada de artrose secundária. Artrose primária é a que começa como artrose mesmo.

Assim, artrite e artrose são fenômenos relacionados. Uma pode levar ao aparecimento da outra e também uma é consequência da outra. Mas são doenças diferentes e devem ser tratadas de maneira diferente.

Por conta dessa inter-relação entre artrite e artrose, a nomenclatura da artrose é um dos campos mais confusos da Reumatologia.
No Brasil, o nome consagrado é artrose, que deriva da influência da escola européia.
Nos Estados Unidos, o nome é osteoartrite e, como a literatura médica é dominada pelas publicações em inglês, a tendência é que o nome osteoartrite deva prevalecer com o tempo.
Para diferenciar as artrites da osteoartrite, os americanos criaram as expressões "artrite inflamatória" (inflammatory arthritis) e artrite não inflamatória (non-inflammatory arthritis).Essas expressões referem-se ao que determina o início do processo e querem explicar que, no caso da osteoartrite, que seria a "artrite não inflamatória", o início não seria com inflamação, que apareceria somente mais tarde.
O problema com essa nomenclatura é que, em português, toda artrite é inflamatória, por isso a expressão "artrite inflamatória" é redundante. Artro é um prefixo para articulação e ite é um sufixo para inflamação.
Por outro lado, "artrite não inflamatória", em português, é uma contradição. Esse tipo de linguagem atrapalha a comunicação e dificulta o entendimento do assunto por parte da população.
Uma das finalidades da nomenclatura médica é facilitar a comunicação entre os médicos, mas nos dias atuais, de disseminação eletrônica da informação, deve-se dar igual importância ao papel da linguagem de transmitir conceitos científicos de maneira clara para a população.
Pessoalmente, julgo que as palavras artrite e artrose cumprem melhor esse papel do que as correspondentes artrite e osteoartrite.

Agora, o que não ajuda ninguém em coisa nenhuma é dizer que artrose é "reumatismo" ou que artrose "é um tipo de reumatismo".
Os que dizem isso também dizem que artrite é "reumatismo" e que artrite "é um tipo de reumatismo".
Como esse tipo de argumentação é comum, não estranho mais quando alguma pessoa doente se lamenta, dizendo que "artrite e artrose são tudo a mesma coisa".
Ora, quem ouve as afirmações "artrose é reumatismo" e "artrite é reumatismo" só pode concluir que artrite e artrose são a mesma coisa e que, portanto, o que importa mesmo é "o reumatismo", não artrite e artrose. Raciocínios assim surgem quando o pensamento mitológico assume o lugar dos fatos, perpetuando a ignorância, e não ajudam no entendimento dos fenômenos naturais.
Artrite e artrose são fenômenos naturais.
O entendimento dos fenômenos naturais deve ser baseado na ciência, não nos mitos, porque apenas a ciência pode fornecer os meios para o conhecimento dos fenômenos naturais.
Para o reumatologista é essencial diferenciar artrite de artrose, por isso deveria lutar para que os conceitos sejam diferenciados com clareza pela população.
Apenas aos oportunistas interessa a manutenção do pensamento mitológico que afirma, sem base científica, que "artrite é reumatismo" e "artrose é reumatismo", esforçando-se para que a população em geral seja mantida na ignorância, acreditando no mito "reumatismo".

-->

2 comentários:

Dl disse...

Se eu não morasse no outro extremo do país, iria procurá-lo para consulta.
Sofro de dores horríveis no quadril e joelho e cotovelo esquerdo quando sento(e trabalho sentada! Andando não sinto nada) e distúbios gastro-intestinais(cólicas que parecem caimbras, na barriga, distenção abdominal, flatus fétidos), coceira nos olhos, desde fevereiro-2009, já consultei reumatologista, ortopedista(2), neurologista(2), clínico geral(2), gatro(4), oftalmologista, dermatologista(diagnosticou amiloidose), já fiz hemograma, glicose, colesterol, TGO/TGP/GAMA-GT, urina, ultrasonografia(2 linfonodos peri-aórticos), ressonância magnética(tudo normal), RX de torax/coluna cervical/lombar, tenho leve anemia, o resto dá dentro dos valores de referência.
Reumatologista disse que é artrose e receitou Faxmin por 3 meses e movates por 10 dias, já estou tomando por 6 dias e não vejo melhora, muito pelo contrário, a dor que era só no quadril na parte de trás(pela nádega), agora dá a volta até a parte da frente, pela região pélvica e as cólicas e flatus estão mais constantes e intensos.
Pena que moro no Norte, tão longe...

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

DI:

Não irei comentar a sua situação, pelos motivos explicados nas ORIENTACÕES PARA POSTAR COMENTÁRIOS NO BLOG.
Se quiser saber a minha opinião sobre o caso, envie-me suas dúvidas pelo e-mail lclaudiosilva@gmail.com