segunda-feira, 19 de outubro de 2009

UMA ARTICULAÇÃO INCHADA

LEIA O EBOOK REUMATISMOS NÃO EXISTEM



Em geral, quando uso a palavra artrite quero me referir a uma articulação inchada, quente, vermelha e dolorida, mas cada uma dessas características - inchaço, calor, vermelhidão e dor em uma articulação - pode ser encontrada em situações em que não há artrite podendo, portanto, ter outro significado. Entretanto, a presença dessas quatro características, ao mesmo tempo, em uma articulação, quase sempre significa a presença de artrite, mas é importante saber que, isoladamente, nenhuma dessas características é suficiente para dizer que alguém tem artrite.

Hoje tratarei do inchaço articular e tentarei explicar porque as pessoas não devem pensar que têm artrite, se notarem algum inchaço em uma articulação.
Concluir que uma articulação está com artrite é um processo de raciocínio técnico que requer conhecimentos da anatomia da articulação afetada, das características que acompanham o inchaço da articulação e dos sintomas que surgem em conjunto com isso. Concluir que uma articulação está com artrite não é simplesmente perceber um inchaço em alguma articulação e dizer que o inchaço é artrite.

Recentemente um estudo feito em Israel registrou o aumento com a idade das extremidades ósseas que formam as articulações dos dedos das mãos, resultando na mudança da forma dessas articulações em decorrência da idade. Essa mudança na forma das articulações dos dedos pode ser percebida por alguém preocupado com os efeitos do envelhecimento como inchaço nessas articulações.
Ao envelhecer, as pessoas aceitam naturalmente o aparecimento dos cabelos brancos e das rugas, mas não estão preparadas para aceitar os efeitos da idade sobre a forma das articulações, tendendo a pensar em doença quando percebem alguma mudança nesse sentido.
A importância desse conhecimento fica evidente quando sabemos que a incidência de artrose e de artrite reumatóide nas articulações das mãos aumenta com a idade, atingindo o pico por volta dos 40-50 anos.
Além disso, a positividade dos exames fator reumatóide e FAN também aumenta com a idade, sendo relativamente comum em pessoas normais nessa faixa etária (de 10 a 20% para alguns e de 20 a 30% para outros autores) e os valores de VHS normais para essa faixa etária são maiores do que os valores de referência citados nos resultados dos exames de praticamente todos os laboratórios.
Um terceiro fator a ser considerado é que a ocorrência de dor musculo-esquelética (articular, muscular e óssea) como resultado do descondicionamento físico e esforço também aumenta com a idade e é comum nessa faixa etária.
Analisando esses dados em conjunto, percebemos que a tendência de aparecimento de dor musculo-esquelética em pessoas sem condicionamento físico, o alargamento normal das articulações das mãos como resultado do envelhecimento e a possibilidade de exames alterados na ausência de doenças compõem o cenário em que muitas pessoas normais são diagnosticadas como tendo artrose ou artrite, sem de fato ter doença nenhuma, ou, o que é pior, são "diagnosticadas" como tendo "reumatismo".
Uma pessoa nessas condições que ouve "ter reumatismo" nunca mais se recupera, pois passará a acreditar que a mudança na forma das articulações dos dedos que ocorre por efeito do envelhecimento é o resultado visível dos efeitos do "reumatismo" que ela acredita ter. Juntando a isso VHS aumentado e FAN ou fator reumatóide positivos, uma pessoa normal pode acreditar para sempre que está doente.

Por isso, para evitar problemas como esse, toda pessoa que perceber algum inchaço em uma articulação que não tenha sofrido traumatismo ou ferimento deve sempre, em primeiro lugar, consultar um reumatologista.
Ao examinar a articulação inchada, o reumatologista saberá dizer se o inchaço é da articulação, se é importante e se são necessários exames para esclarecer a origem do inchaço. Nem sempre o inchaço é da articulação, nem sempre o inchaço significa doença e nem sempre são necessários exames para esclarecer o significado do inchaço.
Se forem necessários exames, é o reumatologista quem deve dizer quais exames são necessários para o diagnóstico e qual deve ser a melhor forma de tratamento inicial.
Para evitar problemas desnecessários é essencial que a população entenda que inchaço em uma articulação é sempre motivo para consultar um reumatologista e não é preciso ter exames alterados para fazer essa consulta. Na verdade, o ideal é consultar o reumatologista antes mesmo de fazer qualquer tipo de exame.

-->

Um comentário:

Leonardo Alves disse...

Dr. Luiz Gostei da explicação, parabéns pelo blog. abs somos quase visinhos moro em joinville.