domingo, 13 de maio de 2012

O QUE É SÍNDROME DE SJOGRËN? ou SÍNDROME DE SJOGRËN NÃO É "REUMATISMO" e SÍNDROME DE SJOGRËN NÃO É "UM TIPO DE REUMATISMO"



LEIA O EBOOK REUMATISMOS NÃO EXISTEM






Nota: Para entender corretamente o que será apresentado, é preciso estar atento para as diferenças entre secura ocular, síndrome seca e síndrome de Sjogrën. Essas três expressões descrevem fatos diferentes e a compreensão dessas diferenças é essencial para entender o diagnóstico da síndrome de Sjogrën.


Síndrome de Sjogrën é uma doença autoimune das glândulas exócrinas; a principal manifestação clínica que produz é chamada de síndrome seca.
As glândulas exócrinas produzem líquidos - como a lágrima, a saliva e o suor - para lubrificar as partes do corpo (olhos, boca, pele, etc) que estão em contato com o exterior.
Na síndrome de Sjogrën - não se sabe porquê - as glândulas exócrinas afetadas são infiltradas por grande número de células imunológicas chamadas de linfócitos que, acumulando-se, substituem as células normais das glândulas provocando diminuição dos líquidos lubrificantes que as células deveriam produzir.
A diminuição dos líquidos lubrificantes produzidos pelas glândulas exócrinas causa os sintomas da síndrome seca: secura nos olhos, na boca, na pele, etc.

A sensação de secura nos olhos, na boca ou na pele é comum na população e nem sempre significa síndrome seca nem doença.
Para que o diagnóstico de síndrome seca seja feito é preciso comprovar que há diminuição das secreções e que há alterações estruturais nos locais que apresentam secura. Nos olhos, por exemplo, a diminuição de lágrimas causa ressecamento da conjuntiva e da córnea e essa alteração pode ser identificada ao exame do olho feito por um oftalmologista.
A maioria das pessoas que têm a sensação de secura não têm síndrome seca (não apresentam lesões nos locais que apresentam secura) e a maioria das pessoas que têm síndrome seca, não têm síndrome de Sjogrën.

Há um vício no pensamento médico vulgar que considera síndrome seca como sinônimo de síndrome de Sjogrën e, quando os que pensam assim se deparam com os sintomas da síndrome seca, afirmam imediatamente "é Sjogrën".
Entretanto, síndrome de Sjogrën não é a mesma coisa que síndrome seca.
A síndrome seca é o nome que se dá à combinação dos sintomas de secura dos olhos, da boca, da pele e de outros locais com a diminuição da produção dos líquidos lubrificantes e com o aparecimento de alterações estruturais nos locais afetados; a síndrome de Sjogrën é apenas uma das muitas causas da síndrome seca e não é nem mesmo a mais comum.
Há muito mais pessoas com síndrome seca do que pessoas com síndrome de Sjogrën.
A maioria das pessoas que apresentam secura dos olhos, da boca ou da pele não têm síndrome de Sjogrën.

Há também um delírio de profissionais ignorantes que consideram os sintomas da síndrome seca como sinal de "reumatismo" e, ao se depararem com os sintomas de secura dos olhos, da boca ou da pele afirmam imediatamente "é reumatismo".
Não é.
"Reumatismo" não é uma doença, é apenas um mito popular.

A síndrome de Sjogrën é uma doença sistêmica e, além das glândulas exócrinas, pode afetar vários órgãos, causando muitos outros sintomas além dos sintomas da síndrome seca. Pode causar artrite, lesões de pele, dores no corpo, alterações neurológicas, alterações nos rins, nos pulmões, no fígado, na circulação, etc.

A maioria das pessoas que apresentam síndrome de Sjogrën tomam conhecimento da doença através da secura ocular (dos olhos) e provavelmente irão consultar primeiramente um oftalmologista. De fato, a síndrome seca com sintomas oculares é uma doença dos olhos que deve ser diagnosticada e tratada por oftalmologistas.
O diagnóstico oftalmológico da síndrome seca é feito pelo exame do olho com aparelhos. Através do exame, o oftalmologista pode comprovar que há diminuição da quantidade de làgrimas e também visualizar os efeitos que isso produz sobre a córnea e a conjuntiva e, se for o caso, diagnosticar a síndrome seca.
Mas, ao comprovar as manifestações oculares da síndrome seca, o oftalmologista não está fazendo o diagnóstico da síndrome de Sjogrën; no máximo, pode suspeitar da sua existência.
Por isso, muitas vezes os oftalmologistas que atendem pessoas com sintomas oculares da síndrome seca pedirão a avaliação de um reumatologista para investigar a síndrome de Sjogrën.
Ao solicitar a avaliação do reumatologista, os oftalmologistas deveriam ter o cuidado de dizer apenas que é preciso consultar o reumatologista como precaução para não deixar passar sem diagnóstico uma causa sistêmica para os sintomas oculares e, principalmente, jamais deveriam dizer que os sintomas dos olhos podem "indicar algum tipo de reumatismo". Entretanto, isso acontece muitas vezes.
Já atendi muitas pessoas apavoradas com as desinformações transmitidas por profissionais que dizem bobagens como "reumatismo no olho", "reumatismo no sangue", etc.
Já atendi muitas pessoas apavoradas com a ideia do "olho seco", pensando que o olho iria secar até deixar um buraco no local.
Esses são os efeitos indesejáveis da linguagem mitológica - transmitindo ideias que não correspondem a fatos científicos, aterroriza facilmente as pessoas doentes.
Secura ocular, a manifestação da síndrome seca causada pela diminuição da produção de lágrimas, não é a mesma coisa que "olho seco", uma expressão mitológica que remete o pensamento popular à imagem bíblica da "mão seca" (Marcos, 3, 1-6) e que deveria ser evitada.
Secura ocular não é a mesma coisa que síndrome de Sjogrën e a maioria das pessoas que apresentam secura ocular não apresentam a síndrome de Sjogrën como causadora dos sintomas.
Mas algumas podem apresentar...

Para diagnosticar a síndrome de Sjogrën o reumatologista baseia-se no seguinte raciocínio lógico:
1) tendo sido confirmado pelo exame oftalmológico que há secura ocular, ou seja, há síndrome seca, é preciso primeiro confirmar que há alterações imunológicas associadas à síndrome seca.
2) as alterações imunológicas devem ser pesquisadas em duas etapas: a de triagem e a de confirmação.
3) a triagem para síndrome de Sjogrën é feita pela pesquisa de FAN e fator reumatóide. Se forem negativos, NÃO É SJOGRËN e novos exames não são necessários.
4) se FAN e fator reumatóide forem positivos, passa-se para a fase de confirmação, com a pesquisa dos anticorpos anti-SSA (ou anti-Ro) e anti SSB (ou anti-La). Se forem positivos, o diagnóstico de Sjogrën pode ser feito.
Se forem negativos, é preciso complementar a investigação com uma biópsia.

Esse é um esquema simplificado do processo de diagnóstico e não substitui a avaliação feita por um reumatologista. Serve apenas como regra geral para orientação de quem deseja entender como é feito o diagnóstico pois, na prática, muitas variações podem ocorrer. Pode ser que apenas o FAN seja positivo, ou apenas o fator reumatóide, ou a biópsia seja inconclusiva, etc...

Resumindo, podemos definir a síndrome de Sjogrën como uma doença autoimune que:
1) entre outros sintomas, produz secura nos olhos, na boca e na pele;
2) os sintomas de secura devem ser confirmados por métodos clínicos e laboratoriais que comprovem a dininuição dos líquidos lubrificantes nos locais afetados, caracterizando a síndrome seca;
3) a síndrome seca deve ser acompanhada de alterações imunológicas, cujas principais são o FAN positivo e a presença dos anticorpos anti-Ro e/ou anti-La ou,
4) se anti-Ro e anti-La são negativos, é preciso comprovar a existência de alterações estruturais nas glândulas exócrinas através de uma biópsia.

Existem duas formas da síndrome de Sjogrën - primária e secundária.
Dizemos que a síndrome de Sjogrën é primária quando é a única doença autoimune que a pessoa apresenta.
Dizemos que a síndrome de Sjogrën é secundária quando os sintomas da síndrome seca com alterações imunológicas ocorrem em pessoas que apresentam outras doenças autoimunes, como artrite reumatóide, lupus sistêmico, esclerose sistêmica, etc.

A investigação para o diagnóstico da síndrome de Sjogrën deve sempre ser feita por um reumatologista porque, ao diagnosticar síndrome de Sjogrën, pode ser preciso também diagnosticar outras doenças autoimunes.
Por isso é recomendado que os exames sejam solicitados de maneira organizada e em etapas, seguindo a lógica do raciocínio científico, para evitar a obtenção de resultados positivos em pessoas que não apresentam sintomas da doença a que o resultado positivo deveria ser relacionado. Quando muitos exames de anticorpos são solicitados ao mesmo tempo, sem uma suspeita clínica definida, resultados positivos podem aparecer, criando as confusões de diagnóstico tão comuns nas doenças autoimunes. Por isso, confusão diagnóstica também pode ocorrer na síndrome de Sjogrën.
Por exemplo, anti-Ro e/ou anti-La positivos não significam síndrome de Sjogrën quando não há sintomas de secura nem síndrome seca mas há pessoas procurando por um diagnóstico de síndrome de Sjogrën, mesmo quando não apresentam os sintomas da doença, porque descobriram ter anti-Ro e/ou anti-La positivos ao fazerem uma bateria de exames solicitados indiscriminadamente, sem estar baseada em raciocínio científico.
Como anti-Ro e anti-La estão relacionados com síndrome de Sjogrën, quem descobre ter esses exames positivos imediatamente pensa que tem Sjogrën, mas isso só é verdade para quem apresenta sintomas de secura, síndrome seca, FAN e fator reumatóide positivos, além do anti-Ro e anti-La. Para quem não tem sintomas e apenas apresenta anti-Ro e anti-La positivos, nenhum diagnóstico pode ser feito.

Não existe nenhum exame que isoladamente faça o diagnóstico da síndrome de Sjogrën e, não bastando os problemas técnicos que surgem normalmente nessa situação, as pessoas afetadas pelos sintomas de secura ou pela síndrome seca precisam também enfrentar o comportamento irresponsável dos profissionais ignorantes que afirmam "é reumatismo" ao ver qualquer exame alterado...
Nenhum dos exames citados neste artigo (FAN, fator reumatóide, anti-Ro e anti-La) é usado para "diagnosticar reumatismo" porque "reumatismo" não é um diagnóstico (leia "NÃO É LUPUS" ou PARA QUE SERVE O EXAME FAN e também PARA QUE SERVE O EXAME FATOR REUMATÓIDE).

Nenhum dos exames citados neste artigo, se positivo, significa ou indica que a pessoa "tem reumatismo" ou que a doença "é reumatismo" porque "reumatismo" não é uma doença, é apenas um mito popular.

-->

5 comentários:

Mayra Silva disse...

Doutor Luiz Claudio, não tenho fator positivo para os exames FAN e fator reumatóide, porém tenho sentido dores articulares e olho ressecado. Com esses exames significa que não tenho SS? EStou muito preocupada.

Mayra Silva disse...

Doutor, tenho exames negativos para FAN e fator reumatóide, porém tenho sentido dores articulares e olhos ressecados. Estou preocupada em ser SS. Tenho que fazer mais exames ?

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Mayra:
Significa que a probabilidade de SS é muito baixa. Na prática, exclui a possibilidade de SS, a menos que outros dados clínicos façam pensar diferente.
Dores articulares e olhos ressecados têm várias causas e devem ser avaliados por um reumatologista (para as dores articulares) e um oftalmologista (para os sintomas dos olhos).
Quando FAN e fator reumatóide são negativos, SS é a causa menos provável desses sintomas.

Carlos Rosa Roos disse...

Dr, boa tarde, minha esposa foi diagnosticada com (síndrome de sjogren principal)como aliviar as dores que ela sente? uma vez que toma todas as medicações prescritas.
Outra coisa Dr ela pode ser curada desta doença? . por favor me responda , muito obrigado e Deus te abençoe.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Carlos:
Sindrome de Sjogrën tem tratamento e o esperado é que as pessoas melhorem com o tratamento.
Se não está havendo melhora, o assunto deve ser discutido primeiramente com o reumatologista responsável, para encontrar opções eficazes de tratamento. Além disso, se não ficar satisfeito com o resultado do tratamento, você sempre pode procurar ouvir outra opinião.
A respeito da cura, sugiro que leia o artigo TEM CURA, DOUTOR?