domingo, 22 de julho de 2012

PARA QUE SERVE O EXAME PROTEÍNA C REATIVA - PARTE 2 - PROTEÍNA C REATIVA E RISCO CARDIOVASCULAR




 



VISITE TAMBÉM O BLOG PARA QUE SERVE O EXAME PROTEÍNA C REATIVA



O artigo PARA QUE SERVE O EXAME PROTEÍNA C REATIVA tencionava esclarecer o papel do exame na avaliação de doenças inflamatórias musculo-esqueléticas. Entretanto, como muitas pessoas vêm postando dúvidas a respeito do exame na avaliação do risco cardiovascular, uma indicação diferente da avaliação de doenças inflamatórias, resolvi apresentar noções gerais sobre o risco cardiovascular avaliado pela proteína C reativa.
Ao buscar informações sobre doenças na internet, o leitor deve estar ciente de que poderá apenas ser esclarecido a respeito dos aspectos gerais de qualquer tema. Informações não substituem uma consulta médica. Problemas práticos apresentados por qualquer pessoa, por mais simples que possam parecer, têm aspectos específicos que só podem ser avaliados em uma consulta formal.
Dúvidas pessoais sobre resultados de proteína C reativa e risco cardiovascular devem ser esclarecidas com um cardiologista.

Risco cardiovascular é o risco de ter uma doença do coração (cardio refere-se a coração) ou da circulação (vascular refere-se aos vasos - artérias e veias - da circulação).
As principais doenças incluídas no risco cardiovascular são o infarto do coração e o "derrame" (acidente vascular cerebral ou AVC).
O infarto do coração é a morte de células do músculo do coração, causada por falta de sangue.
A falta de sangue em alguma parte do coração só ocorre quando as artérias que levam sangue para o músculo (artérias coronárias) estão obstruídas.
A obstrução das artérias coronárias pode ser total (nenhum sangue passa pelo local da obstrução) mas geralmente é parcial (alguma quantidade de sangue ainda passa pela obstrução).
A obstrução das artérias coronárias é causada pelas gorduras (colesterol e triglicerides) que aderem e se acumulam na parede interna da artéria.
O acúmulo de gorduras nas artérias é chamado de aterosclerose.

Durante muito tempo a aterosclerose foi considerada uma doença somente degenerativa (degeneração é a consequência inevitável do envelhecimento) mas, quando foi descoberto que os níveis de proteína C reativa aumentam em pessoas com aterosclerose que ainda não apresentaram infarto, a possibilidade de que a inflamação tivesse algum papel na formação dos acúmulos de gordura passou a ser estudada.

De maneira geral, a proteína C reativa é um indicador da morte não programada de células, fenômeno que ocorre em qualquer local onde haja inflamação (leia PARA QUE SERVE O EXAME PROTEÍNA C REATIVA), por isso a elevação da proteína C reativa se relaciona com a existência de inflamação em algum local do corpo.
A identificação do local onde há inflamacão só pode ser feita pelos sintomas que provoca, por isso a causa verdadeira da elevação da proteína C reativa em quem não tem sintomas não pode ser esclarecida.
Entretanto, quando foi descoberto que a aterosclerose está associada com a elevação da proteína C reativa ficou evidente que há inflamação nos locais onde a gordura está se acumulando na parede das artérias. Essa descoberta mudou a concepção da aterosclerose de doença puramente degenerativa para doença em que há um componente inflamatório e abriu campo para novas maneiras de prevenção.
O conceito de avaliação do risco cardiovascular através da determinação da proteína C reativa foi desenvolvido a partir dessas descobertas pois, ao contrário das doenças inflamatórias musculo-esquléticas que produzem dores e inchaços que devem ser tratados, a inflamação da aterosclerose não produz sintomas que devam ser tratados, mas produz complicações que podem ser evitadas.
Por isso, a avaliação do risco cardiovascular através da determinação da proteína C reativa no sangue é útil apenas para a prevenção das complicações cardiovasculares da aterosclerose.

O exame usado para a avaliação do risco cardiovascular é a proteína C reativa ultra-sensível, cujo resultado geralmente é fornecido com as referências para as duas diferentes finalidades do exame - 1) avaliação do risco cardiovascular e 2) avaliação de doenças inflamatórias. Por isso mesmo, causam alguma confusão:

PROTEÍNA C REATIVA ULTRA-SENSÍVEL
VALORES DE REFERENCIA:

PARA RISCO CARDIOVASCULAR:
RISCO ALTO : MAIOR QUE 3 MG/L (ou 0,3 mg/dl)
RISCO MÉDIO: 1 A 3 MG/L (ou 0,1 a 0,3mg/dl)
RISCO BAIXO: MENOR QUE 1 MG/L (menor do que 0,1mg/dl)

PARA DOENÇAS INFLAMATÓRIAS:
SUPERIOR A 5 MG/L (ou 0,5mg/dl)

Os valores de referência podem variar de um laboratório para outro e são diferentes para resultados expressos em miligramas por litro (mg/L) e miligramas por decilitro (mg/dl).
Como regra, em todas as referências, pequenas elevações são usadas para avaliar o risco cardiovascular enquanto as maiores elevações servem para avaliação de doenças inflamatórias.

A proteína C reativa só pode ser usada para avaliar o risco cardiovascular na ausência de qualquer doença inflamatória que produza manifestações clínicas - como artrite, amigdalite, apendicite, pielonefrite, etc.
Quando há manifestações clínicas de uma doença inflamatória qualquer, a elevação da proteína C reativa é causada pela doença que está causando sintomas e não deve ser usada para avaliar o risco cardiovascular porque os resultados associados com as doenças inflamatórias estão sempre acima do que é considerado risco cardiovascular alto.

O problema com o exame surge quando pessoas SEM SINTOMAS apresentam elevações de proteína C reativa nos níveis que se observam em doenças inflamatórias - essa situação não deve ser interpretada como a existência de uma doença inflamatória pois, se houvesse, produziria sintomas. Também não deve ser considerada como risco cardiovascular muito elevado porque o risco cardiovascular está associado com pequenas elevações da proteína C reativa.

Pessoas sem sintomas que consultarem um cardiologista por causa de grandes elevações da proteína C reativa geralmente receberão a orientação de consultar um reumatologista porque grandes elevações da proteína C reativa estão associadas com doenças inflamatórias e é o reumatologista quem trata das doenças inflamatórias musculo-esqueléticas. Isso não significa que quem tem grandes elevações de proteína C reativa tenha obrigatoriamente de ter uma doença inflamatória musculo-esquelética.
As doenças inflamatórias musculo-esqueléticas causam sintomas e, se não há sintomas, geralmente não há doença musculo-esquelética.
Isso não exclui que haja outras doenças inflamatórias, de outros órgãos, que deveriam ser avaliadas por outros especialistas, mas todas as doenças inflamatórias, independentemente da localização, causam sintomas. Portanto, se não há sintomas, não deve haver nenhuma doença inflamatória.
O significado de grandes elevações da proteína C reativa em pessoas assintomáticas ainda não foi esclarecido mas, para mim, a causa mais comum é erro laboratorial pois:
- grandes elevações não podem ser explicadas pela aterosclerose - que não produz sintomas;
- nem por doenças inflamatórias musculo-esqueléticas - que produzem sintomas;
- nem por outras doenças inflamatórias e infecciosas - que podem causar elevação da proteína C reativa mas também produzem sintomas.

Por isso, a interpretação da proteína C reativa para o diagnóstico de doenças inflamatórias musculo-esqueléticas - que interessa ao reumatologista -, depende dos sintomas da doença, mas a interpretação do risco cardiovascular - que interessa ao cardiologista -, não depende de nenhum sintoma.
A interpretação do risco cardiovascular é feita pela leitura direta da referência:
Qualquer valor de proteína C reativa maior do que 3mg/l (ou maior do que 0,3mg/dl) significa que o risco cardiovascular é alto, exceto quando há uma doença inflamatória associada.

Risco cardiovascular alto não significa que a pessoa está para ter um infarto ou derrame, não significa que a pessoa está prestes a morrer do coração, não significa sequer que a pessoa está doente. Mas é um sinal de alerta que não deve ser ignorado.

Quando as pessoas tomam conhecimento da avaliação do risco cardiovascular através da proteína C reativa imediatamente pensam em algum tratamento para diminuir o resultado.
Quem aprende que proteína C reativa aumenta por causa da inflamação nos acúmulos de gordura nas artérias pensa imediatamente em tratar a inflamação para diminuir o valor do resultado.
Para o pensamento mitológico, os medicamentos que vêm à mente para o tratamento da inflamação são os anti-inflamatórios, um raciocínio lógico mas incorreto, baseado apenas na semelhança das palavras.
Ao contrário do que sugere o pensamento mitológico, usar anti-inflamatórios para "tratar" a inflamação da aterisclerose e diminuir o resultado da proteína C reativa, aumenta o risco cardiovascular.

Além de não diminuir a inflamação nos depósitos de gordura nas artérias, todos os anti-inflamatórios existentes atualmente podem de fato aumentá-la, por complexos mecanismos naturais que envolvem a coagulação do sangue e desafiam a lógica da linguagem.
Usar a lógica da linguagem para tomar decisões em Medicina é absurdo pois os fenômenos biológicos não seguem a lógica da linguagem; é a linguagem que deve se adaptar a eles, mudando para melhor representá-los, à medida que novas informações sobre os fenômenos são descobertas.
O apego demonstrado por profissionais que tentam a todo custo preservar nomes incorretos e ultrapassados, adaptando significados para preservar palavras obsoletas, não facilita a divulgação de informações científicas e, principalmente, dificulta a assimilação de informações pela população pois a lógica da linguagem é o único instrumento usado pela população para interpretar a complexa associação de palavras que deve ser usada para descrever e explicar os fenômenos biológicos da saúde e da doença.

Anti-inflamatórios devem ser usados somente para tratar sintomas dolorosos de doenças inflamatórias.
Anti-inflamatórios não devem ser usados por pessoas assintomáticas para "tratar" o resultado alterado do exame proteína C reativa.

Proteína C reativa aumentada associada com qualquer risco cardiovascular é um sinal de alerta para modificar o estilo de vida e dar mais atenção à saúde. Pode ser diminuída por intervenções simples, destinadas a retardar o processo aterosclerótico, como dieta, exercícios, perda de peso, parar de fumar, combate ao stress, etc.

Quando recebem um resultado de exame muito acima do que é considerado como risco cardiovascular elevado, as pessoas são confundidas pela referência para avaliação de doenças inflamatórias...
Se o risco cardiovascular é alto com 3mg/l, a lógica da linguagem faz com que, quem recebe um resultado de 30mg/l, fique apavorado, mas sem razão.
Ao contrário do que sugere a lógica da linguagem, 30 mg/l não significa risco cardiovascular 10 vezes mais alto do que 3mg/l.
A interpretação do exame não segue a lógica da linguagem; ela é baseada em dados biológicos e estatísticos e é importante lembrar que os valores de referência não são dirigidos ao leitor leigo; são dirigidos ao médico que solicitou o exame.
A interpretação do resultado depende do conhecimento dos fenômenos biológicos e da estatística que fundamentam os valores de referência mas, principalmente, do quadro clínico do doente.

Por isso, se o resultado da sua proteína C reativa está associado com risco cardiovascular e você não tem sintomas, não consulte um reumatologista; consulte um cardiologista.
Por outro lado, se a sua proteína C reativa está aumentada e você sente dores nas articulações, nos ossos, nos músculos ou na coluna, não consulte um cardiologista; consulte um reumatologista.

Infelizmente alguns profissionais, ignorando a finalidade do exame, preferem dizer "é reumatismo", quando recebem um resultado aumentado de proteína C reativa...
Tal atitude mostra apenas a exploração da lógica da linguagem, preservada pelos que se apegam a palavras incorretas e ultrapassadas, e só encontra eco na população que não conhece o exame, não sabe para que serve nem sabe dos problemas causados pela crença em "reumatismo".
Proteína C reativa aumentada não "é", não "significa", não "detecta" e não "confirma" "reumatismo" porque "reumatismo" não é uma doença, é apenas um mito popular.

VISITE TAMBÉM O BLOG PARA QUE SERVE O EXAME PROTEÍNA C REATIVA

LEIA TAMBÉM  AVALIAÇÃO DO RISCO CARDIOVASCULAR PELA DOSAGEM DA PROTEÍNA C REATIVA NO SANGUE




24 comentários:

Ana Nepomuceno disse...

Dr Luiz Claudio, estou com uma episclerite a algum tempo (2 meses). Por alguns dias o vermelhidão no olho desapareceu e voltou. Com o tratamento oftalmológico não obtive resultado, por isso procurei um reumatologista. O único exame que deu alteração foi o de proteína c reativa ultra sensível com alto risco cardíaco. Algo em torno de 4mg/l. O dr acredita que este resultado pode estar relacionado com a episclerite ou não? A episclerite é um dos problemas inflamatórios que podem ser relacionados com este exame ou não? Obrigada

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Ana:
É possível que episclerite curse com elevação da proteína C reativa mas penso que essa informação não tem utilidade no seu caso.
Episclerite é uma doença benigna, que responde fácil ao tratamento. O quadro é auto-limitado, dura de 1 a 3 semanas e deve ser tratado por um oftalmologista.
Sugiro que consulte outro oftalmologista para reavaliar o diagnóstico e o tratamento.

Adriana Pedreca disse...

Bom Dia, meu filho de 06 anos apresentou quadro de febre, sem nenhuma associação de dor de garganta ou quadro inflamatório, medicamos com antitérmico, ficou bem, mas depois de uma semana, foi para o hospital devido a vômitos e desidratação, melhorou e após 15 dias teve novamente febre, desta vez,febre baixa, a pediatra solicitou exames, que apresentaram, proteína C REATIVA ALTA de 27,77 mg/L e velocidade de Hemossedimentação 32 mm/1h
A Pediatra recomendou um reumato Infantil,porem meu filho não apresenta nenhum tipo de dor , somente a noite a tal dor do crescimento, pode ser reumatismo ?
Por favor, Dr. me ajude, pois temo que o Reumato siga nessa linha de reumatismo e já estamos sofrendo muito com esta possibilidade...

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Adriana:
O que sei com certeza é que "reumatismo" não é porque "reumatismo" não é uma doença, não é um diagnóstico, é apenas um mito popular.
Você está sofrendo muito com "essa possibilidade" apenas porque acredita no mito "reumatismo". Não sofra. Não acredite nisso.
Não foi por pensar em "reumatismo" que o pediatra pediu para consultar um reumatologista pediátrico; foi porque ele encontrou sinais de inflamação que não soube diagnosticar.
O reumatologista-pediátrico é o especialista indicado para investigar doenças inflamatórias em crianças. Isso não significa que sempre que há sinais de inflamação em crianças haja uma doença inflamatória que deva ser tratada por um reumatologista-pediátrico. Na verdade, acredito que na maioria das vezes em que as crianças não sentem dor, o diagnóstico é simples e muitas vezes se resolve em alguns dias.
Sugiro que leia PARA NÃO CONSULTAR UM REUMATOLOGISTA.

Claudia Balieiro disse...

Boa noite!
Meu filho vem sentindo dores nos ossos, nos braços, pernas e coluna. Essas dores não são constantes, mas tem se repetido com mais frequência de um ano pra cá. Apresentou na semana passada um quadro de febre (não muito alta - 37/38ºC) que sumiu no dia seguinte. Levamos ao pediatra que solicitou "alguns exames para ver se é reumatismo" que foram feitos e os resultados foram: mucoproteínas - 7,5 mg/dL; ASLO - menor que 200; Fator reumatoide - menor que 20 UI/ml e Proteína C reativa - 61,1 mg/l. Foi solicitado que procurássemos um reumatologista, mas nessa data, próximo as festas de fim de ano, não estamos conseguindo marcar nenhum. Minha preocupação é se este quadro pode indicar algo mais sério ou dá para esperar por janeiro.Desde já agradeço.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Claudia:
A avaliação da gravidade (ou seriedade) de um caso depende principalmente do exame físico (leia PROTEÍNA C REATIVA ALTA para saber mais sobre valores muito elevados).
"Exames para ver se é reumatismo" não existem. Os exames feitos, quaisquer que fossem os resultados, não mostrariam "reumatismo" porque "reumatismo" não é uma doença, é apenas um mito popular.
Pelo que você contou, foi avaliado um quadro de "febre não muito alta que sumiu no dia seguinte", o que não é motivo para consultar um reumatologista - presumo que o motivo do encaminhamento ao reumatologista foi apenas a proteína C reativa alta. Para isso, você pode aguardar a consulta mas, se o quadro clínico mudar, consulte o pediatra pois a avaliação da gravidade pode ser feita pelo pediatra.

Khetelbey disse...

Dr. Claudio, fiz exame de pcr ultra sensivel e o resultado foi 3,48. Estou preocupado, pois tenho pressão alta e dores no peito e frequentemente meu coração dispara quando subo uma lance de escada, por exemplo, por mais devagar que eu vá, ele dispara, também me sinto muito cansado. Estou indo ao cardiologista, será que o que eu tenho é grave?

PhillipsBH disse...

Olá Doutor, achei interessante seu esclarecimento sobre o mito "reumatismo", estava com receio de ter isso. Mas o fato é, já é a segunda vez em menos de 4 meses que eu tem dores nas articulações, lombar, pernas...amigdalas aumentadas febre, dor de cabeça, fico assim por uns 3 dias e melhora. Nessa última vez, o exame apontou a quantidade de leucocitos muito acima e a proteina C muito alta 95mg. Neste caso eu devo procurar um clinico geral ou um reumatologista?

SOLANGE disse...

Olá Dr meu nome é Consuelo tenho 45 anos ,fiz um exame de proteina c reativa e o resultado foi 13,9 ,sempre tive dores nas articulações desde os 20 anos que era nas pernas e nos pés, hj tenho em todo o corpo dores intensas , um medico disse que tenho fibromialgia,mas sinto dores intensa em todo o corpo principalmente nas articulações dos braços,ombro,quadril,joelho.tornozelos e nos pé em fim doe td ,mal posso andar ja estou perdendo a força nas mãos mas medico nenhum diz o que tenho o que devo fazer tomo , cetoprofeno é o que melhor passa a dor , ou o celebra 100 mg quando algum medico bonzinho me dá receita ai passo 100% sem dor pode me ajudar

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Kethelbey:
Só o cardiologista poderá responder à sua pergunta.
Sugiro que aguarde a consulta.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

PhilipBH:
Dores nas articulaçôes são motivo para consultar um
reumatologista em primeiro lugar, em qualquer
situação. Não há necessidade de passar por um
clínico geral. Quaisquer que sejam os sintomas
que acompanhem a dor nas articulações, o reumatologista
é o especialista indicado para investigar a causa.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Solange:
Seu caso deve ser avaliado por um reumatologista e, se ainda não fez isso, sugiro que consulte um.

Cledian Gomes disse...

Dr. Luiz, após ver o resultado de exame do meu marido levei um susto pois a Proteina "C" reativa ultra-sensivel esta 31,20 mg/l para avaliação de risco cardiovalscular, constantemente ele tem dor em um pé, mas agravante ocorreu no outro que nunca havia sentido nada, teve tonteira e fiz com que ele procurasse um ortopedista, diante de sua alimentação que é um pouco exagerada, principalmente em relação a carne, gordura, fritura, enfim, o medico esta suspeitando de gota. Agora iremos levar ao médico que solicitou o exame o resultado, mas poderia me orientar melhor? Desde já, muito obrigada.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Cledian:
Proteína C reativa de 31mg/l sugere a presença de uma doença inflamatória, por isso não serve para avaliar o risco cardiovascular (proteína C reativa só deve ser usada para avaliar o risco cardiovascular quando não há uma doença inflamatória aumentando a proteína C).
Dor no pé com proteína C reativa de 31 deve ser avaliado em consulta médica com um reumatologista.
Sugiro que leia PARA NÃO CONSULTAR UM REUMATOLOGISTA para entender porque é preciso consultar um reumatologista em primeiro lugar em casos assim.

Luiz Novelino disse...

Olá Dr. Luiz Claudio, tive febre-reumática com 15 anos (isso existe? Já que o Dr. disse que reumatismo é um mito popular).

Nessa época, depois de 3 idas a ortopedistas achando que se tratava de lesões, um dia amanheci com as juntas dos dedos inchadas. Fui ao reumatologista e de lá para um cardiologista.

Meu coração já estava comprometido, pois a bacteria já havia se instalado em meu sangue inflamando uma das artérias. Tive que ser internado as pressas, conseguindo reverter o quadro com tratamento a base de corticoide. Tomei benzetacil durante anos. Hoje tenho 34 anos e não faço mais uso desse medicamento desde os 26 anos.

A 3 meses atrás sofri uma queda onde machuquei a palma da mão. Coloquei gelo e depois não dei muita importância. Como trabalho no computador, acho que devido ao esforço repetitivo, tive uma lesão no punho/mão. Fui ao ortopedista que pediu uma resonância magnética. Nela costa que vários tendões estão inflamados, inclusive com derrame em algumas áreas.

Por esse meu histórico reumático a ortopedista pediu que eu fosse ao reumatologista pra descartar qualquer relação com uma possível nova doença reumática por conta do estado da lesão.

Antes dessa consulta com a reumatologista, adiantei alguns exames de sangue e na proteína C reativa deu 0,08 mg/dL. Aqui mostra que a referencia para doenças inflamatorias/infecciosas é de < 0,50 mg/dL e para risco cardiovascular de < 0,30 mg/dL.

Esse valor que deu em meu exame está correto? Existe 0,08 mg/dL ou seria 0,8 mg/dL considerando esse valor alto perante aos valores de referencia?

Outra dúvida, sempre faço o exame de antistreptolisina "O" (que deve estar até 200 UI/mL) e o meu bate alto, em torno de 333 UI/mL.

Meu cardiologista disse a alguns meses atrás que por eu não ter anticorpos pra essa bactéria que me atingiu na infância, meu organismo libera essa substância em excesso. E por conta disso devo continuar tomando Benzetacil pra continuar imune.

Gostaria de saber o que o Dr. acha sobre isso (fazer uso constante de Bezentacil, mesmo não sentindo mais nada).

Parei de tomar Benzetacil com 26 anos. Hoje tenho 34 anos. Fiz errado? Meu cardiologista diz que devo continuar tomando. Acho um medicamento forte pra tomar de 21 em 21 dias pro resto da vida.

Desculpe o monólogo. Desde já obrigado.

Abs.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Luiz:
É claro que febre reumâtica existe. Febre reumática é uma doença bem conhecida. Por outro lado, "reumatismo" não é uma doença, é apenas um mito popular. Por isso, embora você esteja pensando que febre reumática é a mesma coisa que "reumatismo", febre reumática, que é uma doença, não é a mesma coisa que "reumatismo", que é apenas um mito.
As dúvidas confusas que você tem, originadas na sua crença em "reumatismo" como sendo a mesma coisa que febre reumática, já foram respondidas em vários artigos do blog e, devido ao grande número delas, se desejar respostas pessoais, envie-as para o meu e-mail.

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO disse...

Bom dia Dr Luiz Claudio.
Pode haver alguma relação entre problemas renais e resultados alterados da proteína "C" reativa? Minha pergunta baseia-se em uma recente consulta ao nefro pois sentia dores na altura dos rins. O resultado de hemograma me trouxe entre outros alteração nesta proteína. Só lembrando, não tenho histórico de doenças cardiovasculares na família, pratico atividades físicas pelo menos 03 vezes por semana, não faço uso de fumo, álcool ou outros tipos de drogas. obrigado.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Segurança:
Existe relação entre infecção (pielonefrite) e inflamação (glomerulonefrite) dos rins e aumento da proteína C reativa mas esses diagnósticos são feitos pelos sintomas urinários, não pela elevação da proteína C reativa.
Não existe relação entre "dor na altura dos rins" e problemas renais - a maioria das dores "na altura dos rins" são causados por problemas musculares ou da coluna.

Eveliinnda disse...

Drº Meus exames deram Endomísio IGA Não Reagente. Proteína C Reativa 0,8mg/dL e Hemossedimentação 16mm 1ª Hora, Eletrocardiograma Normal. Há 4 anos sofro quando estou em contato com o sol, fico vermelha e toda me coçando, só melhora quando estou na sombra. Por ficar nervosa com as coceiras meus batimentos cardíacos ficam acelerados e fico com sintomas de que vou desmaiar. Gostaria de saber, qual médico devo procurar Reumatologista ou Cardiologista?

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Evellinda:
Manchas vermelhas causadas pelo sol, com ou sem coceira, devem ser consultadas com um dermatologista.
Batimentos cardíacos acelerados, devem ser avaliados por um cardiologista.

Maria Karolina Coimbra da Silva disse...

Boa noite Dr. Luiz, tenho 21 anos recentemente tive umas crises de ansiedade e pânico, desde então venho fazendo acompanhamento psiquiátrico e tomando medicação. Diversas vezes durante essas crises sentia meu coração acelerar muito e outas vezes nem sentia ele, acordo durante a noite com esses sintomas, procurei um cardiologista e fiz vários exames entre eles PCR 5,97mg/L devo me preocupar, também sinto dores nas articulações.

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Maria Karolina:
Ansiedade e pânico que precisam de medicação são motivo suficiente de preocupação.
Para a avaliação da proteína C reativa e das dores articulares é preciso consultar um reumatologista pois o exame físico é essencial para isso.

scorpion_mgb disse...

Dr. Luiz Claudio, boa tarde.

Estou com diarréia e tosse seca, a tosse desde o final do ano e a diarréia desde Janeiro, mais ou menos pelo dia 15, passei no médico a primeira vez o mesmo me receitou xaropê para tosse e Florax 100ml para a diarréia, tomei os medicamento e mesmo assim não melhorou, consultei outro médico que me indicou exame de feses, que também não apresentou nada, ele disse ser virál e me indicou Florax 200mg, segundo ele 100ml era muito pouco, e me passou uma dieta pra fazer durante 3 dias, tomei tudo certo inclusive a dieta e nada, passei em outro médico, contei toda a história e ele disse que mesmo o exame de feses não indicando, poderia ser verme, me receitou o remédio Anitta e fiz um exame de sangue na mesma hora, a principio o exame não deu nada, tomei o remédio conforme indicado e obtive uma melhora, ainda tinha diarréia mas era pouco, fiquei bem por um periodo de mais ou menos uma semana e meia até que as diarréias foram voltando e ficando mais frequentes, consultei novamente outro medico, que me indicou outro exame de sangue e alguns raio-x com laudo para a tosse que tambem permanece, peguei o exame de sangue hj e notei um resultado alto na Proteina C reativa, no exame está assim:

Resultado: 3.32 mg/dL
Valor de Referência: Inferior a 0.6 mg/dL

E também um valor alto na Velocidade de Hemossedimentação:

Resultado: 32 mm
Valor de Referencia:
<50 anos de idade: Homem <15 mm/h

O Raio X ainda não ficou pronto, o retorno que marquei com o médico está com uma data um pouco longe, e após pesquisar e ler sobre isso fiquei bem preocupado, principalmente com a PCR que está com nível muito acima do normal.

Eu tenho 28 anos.
Não Bebo, não fumo e também não uso drogas, e também nunca utilizei nada disso, tenho aproximadamente 1,75cm e peso uns 70kg

Gostaria de saber se devido a esse histórico recente que contei preciso me procupar em relação a algum tipo de doença em especifico? problemas cardiovascular? ou será que pode ser somente uma inflamação?

Dr. Luiz Claudio, peço a gentileza de me responder porque estou muito preocupado com isso.

Agradeço desde já sua atenção.

Muito Obrigado!

Dr. Luiz Claudio da Silva disse...

Scorpion:
O mais importante do que você relatou não é a proteína C reativa nem o VHS ; é a diarreia.
Na presença de diarreia, proteína C reativa aumentada serve para avaliar a causa da diarreia, não pode ser usada para avaliar o risco cardiovascular.
Para avaliar a diarreia, consulte um gastroenterologista.
O que você não pode aceitar é que digam "é reumatismo" porque o VHS e a proteína C reativa estão aumentados. Não é. Proteína C reativa e VHS aumentados não significam "reumatismo" porque "reumatismo" não é uma doença, é apenas um mito popular.